Escolha uma Página

Brises: conheça os principais modelos disponíveis no mercado

por Jéssica Huller

Os brises são elementos utilizados de forma prática e criativa em projetos. Conhecer os tipos e modelos disponíveis pode te ajudar a escolher o que melhor atende às necessidades do seu empreendimento.

 

Os brises, ou brises-soleil, são elementos arquitetônicos que possuem a função de reduzir a incidência de luz solar mantendo a ventilação interna nos ambientes.

Desde 1930, são bastante utilizados em prédios públicos por auxiliar na eficiência energética da edificação, diminuindo gastos com ar condicionado, por exemplo. Atualmente, os brises também estão sendo utilizados em projetos residenciais de alto padrão, atuando funcional e esteticamente.

Basicamente, os brises são estruturas formadas por lâminas, podendo ter acabamento liso ou perfurado, posicionamento vertical ou horizontal, modelo fixo ou móvel. Além disso, podem ser metálicos, de madeira ou vegetais.

Vamos explorar essas possibilidades a seguir para que você consiga identificar o que melhor atende às necessidades da sua construção.

Tipos

1) Brises metálicos

Brises de alumínio (Fonte: Cerpolo)

Os brises metálicos são geralmente produzidos em aço-carbono ou alumínio. Podem tanto ser fixados na própria estrutura do edifício quanto colocados entre placas de vidro. Esta última opção é mais recomendada para edifícios altos devido a carga de vento. Entre os benefícios desse tipo de brise, podemos destacar:

 

  • brise mais leve, afetando pouco a carga na estrutura;
  • produção em indústria, o que garante um controle de qualidade maior e disponibilidade de garantia;
  • maior precisão na construção;
  • facilidade de limpeza e instalação.

Estão disponíveis nas opções de acabamento liso (mais comum) ou perfurado (chapas de metal com pequenos furos no formato desejado, permitindo maior passagem de vento).

 

Brises de madeira (Fonte: Toro Design)

2) Brises de madeira

Os brises de madeira podem ser confeccionados em diversos tipos tipos de madeira, como Jatobá, Cedro e Garapeira. Porém, os brises de madeira de demolição tem sido os mais recomendados, principalmente por questões ecológicas e financeiras. Entre as vantagens desse tipo de brise, temos:

  • conforto térmico e visual;
  • questão estética em projetos arquitetônicos;
  • sustentabilidade com uso de madeira de demolição.

 

Brises vegetais (Fonte: Eco Telhado)

3) Brises vegetais

Os brises vegetais, conhecidos também como brises verdes, são compostos de suportes na parte externa, onde ficam as plantas. Geralmente, são utilizadas trepadeiras, conduzidas verticalmente por cabos de aço inoxidável fixados com um determinado afastamento da parede. O sistema conta com irrigação e fertilização automatizada, o que possibilita pouca manutenção. Entre as vantagens apresentadas por esse tipo de brise, podemos destacar:

  • criação de um microclima fresco nos ambientes internos, o que aumenta ainda mais a eficiência energética da edificação;
  • atenuam a passagem de ruídos externos para o empreendimento;
  • manutenção simples, precisando apenas de podas regulares e eventuais acréscimos de adubo;

Os brises vegetais ainda não são muito comuns no Brasil, mas são uma tendência para o futuro em razão das suas grandes vantagens em termos de economia de energia.

Modelos

Fixo

Os brises fixos não permitem a mudança de ângulo das lâminas. Em edificações de grande porte, é aconselhável que se opte pelo modelo fixo para evitar a movimentação constante das lâminas por várias pessoas. Deve-se atentar a um afastamento da fachada que permita ventilação natural e manutenção.

Móvel

Permite maior versatilidade do uso do brise, possibilitando a mudança do ângulo de acordo com a insolação externa. Assim, pode-se adaptar ao período do dia ou intensidade da insolação desejada. Porém, possui uma manutenção mais complicada em razão de um maior desgaste.

Posicionamento

O correto posicionamento dos brises é essencial para um melhor aproveitamento desse elemento, adequando-o de acordo com o grau de insolação da fachada em questão.

Vertical

As lâminas verticais são mais recomendadas para fachadas que recebem os raios de sol de forma rasante (nascente e poente). Na maior parte do Brasil, esse efeito ocorre, respectivamente, nas fachadas leste e oeste.

Horizontal

As lâminas verticais são mais recomendadas para a fachada Norte, que recebe o sol a pino durante todo o dia. A fachada Sul, no geral, recebe pouca insolação e não carece do uso de brises.

Custo-benefício

Com relação ao investimento inicial, os brises de alumínio serão, no geral, um pouco mais caros em relação aos de madeira. Porém, a durabilidade do primeiro com pouca manutenção é mais elevada do que a da madeira, além de ser mais leve, afetando pouco o carregamento na estrutura do empreendimento.

Com relação aos brises vegetais, seus custos e durabilidade dependerão do material da estrutura em que será fixado (cabos de aço, por exemplo) e da demanda por manutenção da planta escolhida.

Lembre-se que para alcançar um bom custo benefício é importante investir em uma boa pesquisa de preços. Para realizar uma cotação de brises, você precisará disponibilizar algumas informações aos fornecedores:

  • Material utilizado (Ex: Alumínio)
  • Cor da estrutura de fixação (Ex: preto fosco);
  • Cor das aletas (Ex: natural);
  • Especificações (Ex: textura amadeirada nas aletas);
  • Dimensão do vão (Ex: 6 x 2,5 m);
  • Perfil da estrutura de fixação (Ex: 5 x 10 cm);
  • Perfil das aletas (Ex: 10 x 2,5 cm);
  • Espaçamento das aletas (Ex: 12 cm)

Os fornecedores ainda poderão solicitar o projeto arquitetônico para uma melhor adaptação da solução disponível às suas necessidades. Por esta ser uma compra com complexidade técnica, sugerimos que se tenha um projeto detalhado específico para os brises, feito pelo arquiteto ou engenheiro estrutural.

Curiosidades

  • A palavra brise deriva da expressão francesa brise-soleil que pode ser traduzida de forma literal como “quebra-sol”.
  • Em caso de se optar por um brise colorido, a cor preta é a mais recomendada, absorvendo cerca de 97% da radiação solar.
  • Um outro tipo de brise bastante popular são os cobogós. Basicamente, são elementos vazados de concreto ou cerâmica muito utilizados em edifícios públicos, uma vez que têm custo reduzido e alta durabilidade.
  • No geral, os brises devem ser instalados no lado de fora das janelas para terem um bom desempenho térmico. Porém, em algumas situações, eles são instalados por dentro das janelas, facilitando sua limpeza e permitindo o controle da luminosidade por trás de uma fachada envidraçada, por exemplo.

Resumindo…

Certamente, o uso de brises em seu empreendimento pode não apenas trazer uma arquitetura diferenciada, como também um ganho em eficiência energética bastante significativo. A escolha entre as diversas variedades disponíveis em mercado deve sempre levar em conta a durabilidade, efeito estético desejado e custo-benefício.

Conhecer essas possibilidades vai lhe ajudar a entender quais as vantagens de cada uma e o que melhor se adequa ao seu empreendimento.

É importante ressaltar que tanto essas questões levantadas quanto o correto posicionamento dos brises são melhor analisados com o auxílio de um profissional de arquitetura.

Jéssica Huller

Consultora de Implementação

É graduanda de Engenharia Civil na Universidade Federal de Santa Catarina. Foi empresária júnior no EPEC – Escritório Piloto de Engenharia Civil e hoje atua como Consultora de Implementação na Conaz, auxiliando as empresas a otimizar seus processos de cotação e compras.