Escolha uma Página

Como selecionar bons fornecedores da construção civil para sua obra

por Thales Pinheiro

Entenda como realizar uma boa seleção de fornecedores para sua obra pode garantir um bom negócio

 

Manter um relacionamento positivo com os fornecedores é importante para o sucesso de uma empresa em qualquer setor. No caso de pequenas e médias construtoras, proteger essas relações é indispensável para a consolidação de seus empreendimentos.

Bom atendimento, qualidade do produto ou serviço, bons preços e prazos de entregas são os critérios mais relevantes para fazer uma boa escolha. Entretanto, poucas construtoras possuem um método ou processo específico para lidar com os fornecedores de obra.

Um erro bastante comum é a escolha direta de fornecedores com os menores preços no mercado. Além de analisar o valor da compra, é sempre indicado certificar se a empresa que está comercializando o material ou serviço oferecido possui estrutura logística adequada, recurso humano disponível, disponibilidade em estoque e capacidade de respostas aos seus pedidos.

O setor de materiais de construção possui uma das piores reputações quando o assunto é comprometimento. Quem trabalha na área escuta com frequência sobre histórias de materiais comprados e não entregues ou entregas que não foram pagas. Para te ajudar a evitar esses problemas separei algumas dicas do que você precisa levar em consideração para fazer uma boa escolha de fornecedores para sua obra.

1) Preze pela formalidade

Fuja de fornecedores informais. Eles não possuem compromisso legal caso algo de errado aconteça durante a obra. Se achar necessário, verifique o registro da empresa no Cadastro Nacional das Pessoas Jurídicas, por meio do número do CNPJ.

DICA: Basta acessar o site da Receita Federal e conferir a existência legal do estabelecimento.

Além disso, é sempre indicado buscar referências com clientes que já compraram ou utilizaram os serviços desta empresa para medir sua reputação.

2) Segmente seus fornecedores

Tenha em mente que um fornecedor que atende bem as pequenas demandas (compras de rotina), pode não ser o mais indicado para compras de volumes maiores. É importante separar os fornecedores de acordo com o valor estimado de cada compra. Essa tática permite que você acesse segmentos de fornecedores com melhores preços, como grandes distribuidores ou até mesmo a fábrica de um determinado insumo. Mas lembre-se, para isso você irá precisar de planejamento e compras de grande volume, pois os grandes fornecedores costumam praticar prazos de entrega mais longos!

3) Faça uma pesquisa detalhada de preços

Uma vez realizada a escolha e segmentação dos fornecedores, surge a necessidade de fazer a coleta de preços (cotação). O cuidado maior deve ser feito na análise comparativa entre as opções pesquisadas, pois o vendedor de uma empresa pode “empurrar” um produto similar, de menor preço.

Outra sugestão é montar um quadro de cotações, com as opções lado-lado, sendo possível fazer análises comparativas rápidas entre cada material ou serviço ofertado pelos fornecedores. Essa estratégia evita que você compare fornecedores que estão entregando coisas diferentes.

4) Avalie os prazos de entrega e condições de pagamento

No mercado financeiro se ouve muito a frase: “tempo é dinheiro”, e na construção civil não é diferente. Ao avaliar com criticidade os prazos de entrega e formas de pagamento, conseguimos medir quanto recurso podemos economizar além do preço pago.

Em alguns casos, a economia de tempo sobressai ao preço, ou seja, as vezes é “mais barato” receber antes do que comprar por menos. É claro que fazer este cálculo não é um uma tarefa simples. É necessário estimar o custo diário e disponibilidade de mão de obra, disponibilidade de espaço em obra no dia do recebimento, fluxo de caixa para desembolsar os pagamentos da compra e até mesmo fatores externos, como a condição meteorológica e tráfego local.

Outra medida importante é ter sempre um plano B para cada entrega pois, caso um fornecedor falhe, você pode recorrer a outro para evitar atrasos ainda maiores na obra.

5) Atente-se a qualidade e quantidade dos produtos entregues

Apesar de parecer óbvio, certifique-se de que os produtos entregues possuem boa qualidade e estão na quantidade correta. Uma prática que ocorre rotineiramente é uma empresa começar entregando itens em excelente estado e, ao longo do relacionamento, deixam a qualidade cair. Esses casos são mais recorrentes em empresas de blocos cerâmicos ou de concreto, agregados, concreto ou argamassa usinados.

Na construção civil, a grande maioria dos materiais e equipamentos possuem normas técnicas regulamentadoras, que devem ser seguidas para que tenham um desempenho satisfatório. Um exemplo clássico é o concreto usinado, onde é extremamente indicado a contratação de uma empresa terceira para fazer ensaios de qualidade técnica do material entregue pela usina (essas empresas são conhecidas por fazer o “Controle Tecnológico”).

6) Mantenha um registro de suas compras e histórico de preços

Acompanhar de perto o desempenho das compras e manter um histórico de preços é extremamente estratégico para uma construtora. Dessa forma é possível calibrar distorções no relacionamento com fornecedores, como ocorrência de atrasos constantes ou variações agressivas de preços, além de se tornar uma fonte de informação sólida para construir os orçamentos para futuras obras, sem precisar ter o trabalho de cotar novamente com diversos fornecedores.

Além disso, você pode solicitar novas compras de materiais baseadas em cotações antigas. Isto pode ser muito útil para cotações menores, para complementar um pouco de material que possa faltar após uma grande compra.

Resumindo…

A pesquisa de fornecedores e o processo de cotações são práticas extremamente importantes para quem quer garantir a melhor compra de materiais na construção civil. Contudo, são processos que demandam atenção e organização, pois podem trazer grandes ganhos econômicos à construtora.

Por isso não se contente em fazer o básico nesta área que é o coração da empresa, não se limite a poucos e repetidos fornecedores. Uma economia de 1% na compra de material pode ser equivalente a uma venda 10% maior do imóvel posteriormente!

Thales Pinheiro

Marketing

Graduando em Engenharia de Produção Elétrica pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Foi empresário júnior na C2E – Empresa Júnior de Consultoria em Engenharia Elétrica e atualmente faz parte da equipe de Marketing na Conaz.